A Elecnor atinge um lucro líquido de 37,2 milhões de euros no primeiro semestre
A Elecnor atinge um lucro líquido de 37,2 milhões de euros no primeiro semestre
Isso representa um aumento de 5% em comparação ao mesmo período do ano fiscal anterior.
MADRID, 30 de julho de 2019
A Elecnor, grupo espanhol de infraestrutura, energia e telecomunicações, encerrou o primeiro semestre de 2019 com um lucro líquido consolidado de 37,2 milhões de euros, o que representa um aumento de 5% em comparação ao montante alcançado no mesmo período do ano anterior. O crescimento dos números baseia-se no bom comportamento dos dois negócios da empresa: Infraestruturas e concessões. O motivo disso é o bom andamento das atividades desenvolvidas pela matriz na Espanha e seus estabelecimentos permanentes em outros países, bem como pelas subsidiárias da Elecnor que atuam em mercados estrangeiros, como Estados Unidos, Brasil, Chile, Austrália, entre outros.

O lucro operacional bruto (EBITDA) foi de 152,6 milhões de euros, com um crescimento de 6,8% em relação ao montante registrado em junho de 2018 (que foi de 142,9 milhões). Essa melhoria notável deve-se principalmente ao bom andamento dos negócios mencionados.
 
No final do primeiro semestre de 2019, o montante líquido do volume de negócios foi de 1,07 bilhões de euros, 1,1% superior ao volume alcançado no mesmo período do ano anterior. A Elecnor mantém sua posição de liderança no mercado nacional e continua com seu processo de internacionalização. Além disso, as vendas do grupo no exterior já atingem 54%. 

O resultado do Grupo no mercado internacional é marcado pelo crescimento na Itália e no Reino Unido; pelo fortalecimento da presença na África; pela evolução positiva das subsidiárias nos Estados Unidos; e pela construção de dois túneis ferroviários na Noruega e de parques eólicos no Panamá, na Jordânia e na Mauritânia.

Contratações em alta e um relevante portfólio de contratos pendentes 

O negócio de Infraestrutura e concessões teve uma evolução positiva com relação às contratações durante o semestre. No setor de Infraestruturas, a Elecnor mantém sua posição de liderança no mercado nacional de serviços para grandes operadoras de eletricidade e de telecomunicações. O Grupo intensificou sua atividade no setor elétrico. Assim, a Elecnor estabeleceu a construção de diversos parques eólicos: um no município de Cofrentes (na Comunidade Valenciana) de 50 MW, o primeiro a ser construído na região nos últimos 8 anos, e seis em Zaragoza (de 231 MW), promovidos pela Forestalia. 

Em relação aos negócios de Concessões, o período foi marcado pelo bom desempenho das subsidiárias da Celeo Redes no Brasil e no Chile. O Grupo iniciou a construção de seis parques fotovoltaicos localizados no estado do Piauí (no Brasil) e participa da construção de novos projetos de transmissão elétrica no Chile. 

Cabe destacar que a Enerfín, subsidiária eólica da Elecnor, assinou contratos de compra e venda de energia elétrica no Brasil por 20 anos para dois novos parques eólicos no estado do Rio Grande do Norte, o que a permitiu iniciar a construção de seus primeiros projetos eólicos nessa região do país. Dando continuidade à atividade do Grupo na Austrália, a Enerfín também iniciou o projeto do parque eólico de Woolsthorpe, de 73 MW, no estado de Victoria. 

O portfólio de contratos pendentes de execução, cuja execução está prevista para os próximos 12 meses, soma 2,237 bilhões de euros (em comparação aos 2,229 bilhões em 31 de dezembro de 2018). Setenta e oito por cento desse valor tem origem fora das fronteiras da Espanha e os 22% restantes têm origem no mercado nacional. 

Os números anunciados e o portfólio de projetos pendentes de execução permitem manter os objetivos para o fechamento de 2019: superar as vendas e os resultados de 2018.