30/07/2019
A Elecnor, grupo espanhol de infraestrutura, energia e telecomunicações, encerrou o primeiro semestre de 2019 com um lucro líquido consolidado de 37,2 milhões de euros, o que representa um aumento de 5% em comparação ao montante alcançado no mesmo período do ano anterior. O crescimento dos números baseia-se no bom comportamento dos dois negócios da empresa: Infraestruturas e concessões. O motivo disso é o bom andamento das atividades desenvolvidas pela matriz na Espanha e seus estabelecimentos permanentes em outros países, bem como pelas subsidiárias da Elecnor que atuam em mercados estrangeiros, como Estados Unidos, Brasil, Chile, Austrália, entre outros.

O lucro operacional bruto (EBITDA) foi de 152,6 milhões de euros, com um crescimento de 6,8% em relação ao montante registrado em junho de 2018 (que foi de 142,9 milhões). Essa melhoria notável deve-se principalmente ao bom andamento dos negócios mencionados.
 
No final do primeiro semestre de 2019, o montante líquido do volume de negócios foi de 1,07 bilhões de euros, 1,1% superior ao volume alcançado no mesmo período do ano anterior. A Elecnor mantém sua posição de liderança no mercado nacional e continua com seu processo de internacionalização. Além disso, as vendas do grupo no exterior já atingem 54%. 

O resultado do Grupo no mercado internacional é marcado pelo crescimento na Itália e no Reino Unido; pelo fortalecimento da presença na África; pela evolução positiva das subsidiárias nos Estados Unidos; e pela construção de dois túneis ferroviários na Noruega e de parques eólicos no Panamá, na Jordânia e na Mauritânia.

Contratações em alta e um relevante portfólio de contratos pendentes 

O negócio de Infraestrutura e concessões teve uma evolução positiva com relação às contratações durante o semestre. No setor de Infraestruturas, a Elecnor mantém sua posição de liderança no mercado nacional de serviços para grandes operadoras de eletricidade e de telecomunicações. O Grupo intensificou sua atividade no setor elétrico. Assim, a Elecnor estabeleceu a construção de diversos parques eólicos: um no município de Cofrentes (na Comunidade Valenciana) de 50 MW, o primeiro a ser construído na região nos últimos 8 anos, e seis em Zaragoza (de 231 MW), promovidos pela Forestalia. 

Em relação aos negócios de Concessões, o período foi marcado pelo bom desempenho das subsidiárias da Celeo Redes no Brasil e no Chile. O Grupo iniciou a construção de seis parques fotovoltaicos localizados no estado do Piauí (no Brasil) e participa da construção de novos projetos de transmissão elétrica no Chile. 

Cabe destacar que a Enerfín, subsidiária eólica da Elecnor, assinou contratos de compra e venda de energia elétrica no Brasil por 20 anos para dois novos parques eólicos no estado do Rio Grande do Norte, o que a permitiu iniciar a construção de seus primeiros projetos eólicos nessa região do país. Dando continuidade à atividade do Grupo na Austrália, a Enerfín também iniciou o projeto do parque eólico de Woolsthorpe, de 73 MW, no estado de Victoria. 

O portfólio de contratos pendentes de execução, cuja execução está prevista para os próximos 12 meses, soma 2,237 bilhões de euros (em comparação aos 2,229 bilhões em 31 de dezembro de 2018). Setenta e oito por cento desse valor tem origem fora das fronteiras da Espanha e os 22% restantes têm origem no mercado nacional. 

Os números anunciados e o portfólio de projetos pendentes de execução permitem manter os objetivos para o fechamento de 2019: superar as vendas e os resultados de 2018. 

24/06/2019

O grupo espanhol Elecnor, de infraestruturas, energia e telecomunicações, por meio de sua filial de desenvolvimento eólico Enerfin, deu início à construção de um novo parque eólico de 50 MW na Comunidade Valenciana, localizada integralmente no município de Cofrentes. O projeto, cujo comissionamento está previsto para março de 2020, terá um investimento total de 53 milhões de euros e será formado por 13 geradores eólicos do fabricante GE Renewable Energy. 

Este parque é um dos projetos outorgados no marco do Plano Eólico da Comunidade Valenciana, considerado o primeiro parque eólico a ser construído ali nos últimos 8 anos. O projeto produzirá energia limpa para o consumo de 43.705 famílias, evitando assim a emissão de 66.000 toneladas de CO2. Sua energia será despejada na subestação de Cofrentes, propriedade da Iberdrola Distribución.

A construção do parque gerará para a Comunidade Valenciana uma receita superior a um milhão e meio de euros, e a operação deverá gerar anualmente uma receita de 400.000 €/ano, proveniente dos impostos e contribuições ao Fundo de Compensação do Plano Eólico. Da mesma forma, durante a construção e a operação, estima-se a geração de 300 empregos diretos e mais que o dobro de empregos indiretos. 

22/05/2019
A Assembleia Geral de Acionistas da Elecnor, realizada hoje em Madri, aprovou por ampla maioria as contas correspondentes ao exercício fiscal de 2018, bem como todos os itens propostos na pauta do dia.

O presidente do grupo, Jaime Real de Asúa, anunciou em seu discurso que a Elecnor distribuirá entre seus acionistas um dividendo referente ao exercício fiscal de 2018, que será 7,1% superior ao de 2017. Esse dividendo é um pagamento relacionado ao resultado consolidado de 36%, um ponto a mais que nos últimos anos. Tudo isso endossa, como afirmou Real de Asúa, "a continuidade de nossa política de sustentabilidade em relação à remuneração, com pagamentos ininterruptos e sempre em dinheiro".

O dividendo total por ação aumentou para 0,307293 euros, dos quais 0,05512 já foram distribuídos. Em 12 de junho, os 0,252173 euros restantes por título serão pagos como dividendo complementar.

Em referência à rentabilidade obtida, Real de Asúa ressaltou que a empresa conseguiu "manter a cotação estável no exercício fiscal anterior, ano em que o mercado de ações foi especialmente desafiador para as grandes empresas espanholas. O preço de fechamento em 31 de dezembro de 2018 foi de 13,20 euros por ação, comparado a 13,29 no ano anterior. Esse comportamento superou o Ibex-35, que, em 2018, teve uma queda significativa de 15%".

2018: solidez e crescimento

A Elecnor obteve um lucro líquido consolidado de 74,3 milhões de euros em 2018, o que representou um aumento de 4,3% em comparação com os 71,2 milhões em 2017. De acordo com o EBITDA normalizado, o Grupo Elecnor atingiu 338,6 milhões de euros, o que representa um crescimento de 3,7% em relação ao EBITDA normalizado registrado em 2017.

O valor de vendas alcançado pelo Grupo atingiu 2.273,1 bilhões de euros. Na distribuição do volume de negócios por áreas geográficas, o mercado internacional representa 57% do total e o mercado nacional, 43%.

A geração positiva de caixa nos negócios que compõem o Grupo Elecnor favoreceu o bom desempenho da dívida líquida corporativa do Grupo, que foi reduzida em 38%, passando de 223 milhões em 2017 para 138 milhões em 2018.

Recursos humanos

O grupo criou 707 novos empregos na Espanha em 2018, alcançando uma folha de pagamento mundial de 13.889 pessoas.

O compromisso da Elecnor reflete-se no seu Plano de Igualdade que impulsiona diversos eixos: treinamento, remuneração, comunicação, seleção, conciliação e melhorias na proteção social. Além disso, o Grupo tem uma Política de Compliance e controles internos para garantir a não discriminação.

Recentemente, a Elecnor recebeu a Certificação do seu Sistema de Conformidade de acordo com a norma UNE 19601 "Sistemas de gestão de compliance penal", a principal referência na Espanha para projetar e articular sistemas de prevenção de riscos criminais e totalmente inspirada pelos mais altos padrões internacionais neste setor. Este novo reconhecimento soma-se à obtenção, no início de 2018, do certificado AENOR de Sistemas de Gestão Antissuborno de acordo com a norma UNE-ISO 37001, o primeiro e mais exigente padrão internacional de certificação de planejamento de sistemas de gestão neste campo.

Cumprindo os objetivos de 2019

Os dados do primeiro trimestre de 2019 possibilitam que o Grupo Elecnor mantenha seus objetivos para 2019. 

O portfólio de contratos pendentes de execução teve um aumento de 4,1% em 31 de março de 2019. O montante cresceu de aproximadamente 2,320 bilhões de euros em comparação aos 2,229 bilhões em 31 de dezembro de 2018. Desse valor, 77% corresponde ao mercado internacional e 23% ao mercado nacional.

Acordos da Assembleia de Acionistas 

A Assembleia de Acionistas também aprovou diversas propostas relativas ao Conselho de Administração. Assim, a reeleição dos membros do Conselho de Administração foi votada: Cristóbal González de Aguilar Alonso-Urquijo como conselheiro dominical e Isabel Dutilh Carvajal e Emilio Ybarra Aznar como conselheiros independentes.